Time, energy and money. These should never be compromised.

Como poupar para a reforma

Conheça as nossas dicas para uma reforma descansada.

Esta é uma preocupação que, muitas vezes, as pessoas apenas começam a ter tarde demais. Na verdade poupar para a reforma é um objectivo que se deve ter desde cedo e não quando já se encontra perto dela. A esperança média de vida é cada vez mais alta, nos países desenvolvidos, o que faz com que as pessoas, cada vez mais, vivam até mais tarde com boa saúde. Vejamos neste artigo algumas dicas de poupança para esta fase da sua vida.

A necessidade de poupar para a reforma

Em teoria poupar para a reforma não seria uma preocupação necessária, se os mecanismos de segurança social funcionassem correctamente. Infelizmente o que acontece é que com a esperança média de vida cada vez mais alta, a segurança social deixou de ter capacidade financeira para pagar as reformas como era de esperar. Assim, os reformados têm cada vez reformas mais baixas e a sua idade de reforma sobe cada vez mais. Daqui surge a necessidade de se poupar antecipadamente para a reforma, uma vez que, provavelmente, não poderá contar com o Estado na hora de manter o seu estilo de vida quando se reformar.

Adicionalmente ao factor acima enunciado, na reforma é normal que aumentem gastos com cuidados de saúde derivados da idade. Assim é de esperar que as despesas mensais de um reformado possam subir. Este é mais um motivo para necessitar de uma poupança previamente constituída para fazer face a gastos extraordinários que possam surgir.

Produtos de poupança para a reforma

O produto de poupança mais popular para quem pretender começar a poupar para a reforma são precisamente os planos poupança reforma. Este produto é disponibilizado por quase todas as instituições bancárias e consiste, fundamentalmente, num investimento com um horizonte temporal longo (superior a 10 anos). Este plano poupança investe as poupanças do seu subscritor em obrigações e acções que mantém por um período longo. A maior parte destes fundos permitem reforços periódicos o que significa que, de tempos a tempos, pode ir reforçando a sua poupança. Estes produtos, normalmente não possuem taxas garantidas, uma vez que não conseguem antecipar com exactidão as condições do mercado. No entanto, regra geral, a remuneração oferecida é bastante superior a um depósito a prazo tradicional. Ao ser um investimento a longo prazo, o banco corre mais riscos e pode assim oferecer uma taxa mais elevada. De referir que apesar destes produtos não terem retorno garantido, por serem investimento de longo prazo, a possibilidade de perder capital é quase nula.

Hábitos de poupança

Como a poupança para a reforma constitui um objectivo de longo prazo, não necessita de mensalmente estar a reforçar a sua poupança. Ao invés disso pode fazê-lo anualmente. Assim, no fim de cada ano, deve juntar um determinado valor que tenha disponível e colocá-lo de parte na sua poupança. Desta forma ela irá aumentar a pouco e pouco, através dos reforços que vai realizando mas também por via dos juros oferecidos. Normalmente os juros oferecidos são capitalizados, ou seja, são adicionados à poupança em vez de distribuídos.

É importante que anualmente tente sempre reforçar a sua poupança, mesmo que seja com um valor baixo. Pouco é sempre melhor que nada. Se conseguir poupar os subsídios de férias e Natal, por exemplo, já será uma grande ajuda para o seu plano de poupança. Certifique-se apenas que não vai necessitar, no curto prazo, dos valores que aloca à sua poupança. Isto porque muitos dos planos poupança reforma não permitem levantamentos antes de ter passado determinado tempo.

Conclusão

Nos tempos actuais o Estado, através da segurança social, tem dificuldade em cumprir as suas obrigações, providenciando reformas com valores compatíveis com o nível de vida que o contribuinte detinha durante a sua vida activa. Além disso, na reforma são esperados aumentos nos gastos mensais nomeadamente devido a gastos com cuidados de saúde e medicação. Por esta razões é necessário, o quanto antes, começar a constituir uma poupança para a reforma. Desta forma o contribuinte não fica apenas dependente do Estado e pode dispor de um valor adicional para emergências.

Saiba ainda que existem benefícios fiscais para quem constitui planos poupança reforma. Em sede de IRS deverá declara-los no campo adequado ao efeito e poderá beneficiar de uma ligeira descida de impostos até um determinado valor pré definido.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.