Time, energy and money. These should never be compromised.

As finanças de um casal com muitos filhos

Ter uma família numerosa pode ser um verdadeiro desafio financeiro.

Hoje em dia as famílias numerosas são pouco frequentes. Longe vão os tempos em que era habitual ter 3 ou mais filhos. Neste artigo procuraremos analisar as finanças de um casal que tenha muitos filhos.

Famílias numerosas – uma raridade

Tal como começámos por dizer neste artigo, as famílias numerosas são, hoje em dia, pouco frequentes. Um dos principais motivos é a indisponibilidade dos casais para ter filhos cedo. Devido aos estudos, as pessoas formam-se tarde e começam a trabalhar já numa idade bastante superior a antigamente. A acrescentar a isso há a exigência dos empregos que não permitem muitas vezes uma compatibilização com a chegada de um filho. Ora, se a situação já é complicada com um filho, com mais filhos a situação pode ficar insustentável para muitas famílias.

Por outro lado, existe o aspecto das apertadas finanças de um casal que acaba por também ser um forte entrave a que os casais tenham muitos filhos. Se um filho já é um esforço no orçamento familiar mensal significativo, muito mais que isso pode revelar-se complicado. Principalmente se os membros do casal se encontrarem numa situação laboral instável, com rendimentos incertos, uma situação de desemprego pode tornar-se dramática.

A importância da poupança

Nas famílias numerosas a importância da poupança assume uma relevância ainda maior. Ter um filho é uma decisão que afecta as finanças de um casal de forma significativa. É necessário contar com várias despesas adicionais fixas, bem como, despesas extraordinárias que possam surgir. Para isso, é de extrema importância poupar o máximo possível e fazer escolhas financeiramente inteligentes. O objectivo é ter o máximo de rendimento disponível mensalmente, para fazer face ás despesas, ás quais não consegue fugir.

Antes de cada compra deve ponderar se realmente está a adquirir um bem necessário. Por outro lado ao comprar coisas para os seus filhos, para usarem nos primeiros anos, tente ao máximo comprar artigos que outro filho possa aproveitar. Alternativamente poderá também comprar coisas em segunda mão, que muitas vezes custam uma fracção do preço desses bens novos.

Fontes de rendimento alternativas

Se do lado da despesa a palavra de ordem é poupança, do lado do rendimento deverá procurar aumenta-lo. Assim, deverá procurar fontes de rendimento alternativas, além do seu emprego. Por exemplo um part-time ou alguma tarefa que possa fazer a partir de casa. Estes são exemplos de formas de aumentar o seu rendimento, que numa situação de famílias numerosas, muito jeito dará. Por muito que se poupe, se os rendimentos do agregado familiar forem baixos, um número de filhos elevado pode tornar a sua vida financeira um pesadelo.

Fazer investimentos financeiros pode ser uma forma alternativa de rendimentos que não são um emprego tradicional. Esta forma de investimento exige menos intervenção diária da pessoa, o que pode ser um excelente ponto positivo para pessoas nas circunstâncias que estamos a considerar. Será necessário investir algum tempo a aprender e ganhar conhecimento acerca dos mercados financeiros mas, depois, poderá fazer os seus investimentos e ir apenas acompanhando de tempos a tempos. A subscrição de obrigações, são um bom exemplo daquilo que pode ser um investimento financeiro com um retorno fixo e que não exige trabalho por parte do investidor.

Conclusão

As famílias numerosas são, cada vez mais, uma excepção em Portugal. Os baixos rendimentos dos casais em início de vida, bem como, a situação profissional costumam ser as principais razões para que as famílias não cresçam ao ritmo de outros tempos. No entanto, caso tenha uma família numerosa, um dos principais hábitos que deve adoptar o mais cedo possível é poupar. Um número de filhos elevado traz consigo um conjunto de despesas fixo muito significativo, que não deverá desvalorizar, e que afectam as finanças de um casal de forma drástica. Por isso mesmo é importante pensar muito bem nas decisões financeiras que toma. Por outro lado, deverá procurar fontes de rendimento alternativas, além do seu emprego habitual. Desta forma conseguirá aumentar o rendimento mensal disponível da família e assim fazer face ás despesas. Estas fontes de rendimento não precisam obrigatoriamente de passar por arranjar um novo emprego. Alguma actividade que faça a partir de casa ou investimentos nos mercados financeiros, podem ser uma boa opção. Neste artigo foi referido os investimentos em obrigações, uma vez que estes acabam por reunir algumas condições apetecíveis para quem está nesta situação: permitem um retorno fixo ao longo do tempo e exigem uma dedicação a nível de tempo, muito baixa.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.