5 motivos para constituir um PPR já!

O mercado imobiliário português está numa bolha?
janeiro 5, 2020

O que é um Plano Poupança Reforma

Um PPR consiste num plano de poupança de médio/longo prazo cujo objetivo principal é constituir uma poupança para ser usufruída depois da vida ativa. Assim, existem algumas limitações no que diz respeito a levantamentos antecipados. As situações em que estes podem ocorrer são mais restritas do que num comum depósito a prazo. No entanto, apesar disso, o seu caráter de longo prazo, permite obter benefícios bastantes interessantes que iremos detalhar abaixo.

Benefícios fiscais

Um dos principais motivos que tornam a constituição de um PPR aliciante é o fato de possuírem diversos benefícios fiscais. Estes benefícios podem resumir-se em dois grupos: vantagens ao constituir e ao resgatar. No ato de subscrição é possível deduzir à coleta uma parte do investimento tendo assim um benefício fiscal imediato no ano de subscrição do mesmo. Por outro lado, ao fazer o resgate da totalidade ou de uma parte do seu investimento poderá usufruir de uma taxa de imposto (sobre as mais valias) reduzida quando comparadas com outros produtos de poupança, como sejam depósitos a prazo, ações e obrigações. Do ponto de vista financeiro, o investimento num PPR reveste-se de benefícios fiscais consideráveis que, por si só, são um bom motivo para constituir um.

Rendimento atrativo

Num período em que constituir um produto de poupança de baixo risco significa rendimentos, historicamente, baixos, os PPR surgem como uma opção de investimento interessante. Existem vários tipos de PPR com riscos diferentes associados, mas, genericamente, podemos afirmar que o rendimento proporcionado por estes é superior aos depósitos a prazo. Se os benefícios fiscais já permitem que o rendimento obtido pelo seu investimento seja menos taxado, o facto de este beneficiar de taxas de rentabilidade mais elevadas, permite tornar o PPR uma excelente opção de investimento.

Estabilidade financeira na reforma

A reforma é, frequentemente, motivo de preocupação de muitas famílias. A incerteza quanto ao valor da pensão que se irá obter no final da vida ativa é um dos principais motivos dessa preocupação. Muitas vezes esse montante poderá ser demasiado reduzido para continuar a fazer face às despesas do dia a dia, bem como, despesas adicionais que possam vir a surgir, tais como gastos com cuidados de saúde, por exemplo. Constituir um PPR numa fase inicial da vida ativa, permite chegar a esse período da vida com uma poupança significativa, capaz de complementar a reforma atribuída pelo Estado. Este complemento depende apenas de si, não tendo de ficar dependente da incerta pensão que lhe venha a ser atribuída.

Possibilidade de resgate antecipado

Muitas pessoas pensam que, para não incorrer em penalizações, não é possível fazer o levantamento do seu PPR antes da reforma. Na verdade, a mobilização antecipada deste produto de poupança não é assim tão restritiva. Também é possível levantar o seu PPR num conjunto adicional de situações. Exemplo dessas situações são em caso de desemprego de longa duração, em caso de doença grave ou na situação de ter sido declarado com incapacidade permanente para o trabalho. Esta última situação é também aplicável a outra pessoa do seu agregado familiar. Este conjunto de situações permite garantir que, em caso de ser impossibilitado de poder manter a sua vida ativa, poderá levantar antecipadamente o seu PPR e fazer face à falta de rendimentos provenientes do trabalho. Além destas, é ainda possível requisitar o levantamento do seu PPR, sem penalizações, caso pretenda amortizar prestações do seu crédito habitação. Trata-se assim de uma possibilidade de, a qualquer momento, poder aumentar o seu rendimento mensal disponível, ao amortizar a dívida associada ao crédito habitação.

Diversos níveis de risco

Outro motivo interessante para constituir um PPR é o facto da diversidade de ofertas deste tipo de produtos, permitir escolher o risco que pretende suportar. É possível escolher desde produtos com capital garantido a produtos com uma forte componente em ações, cujo risco associado é mais elevado. Desta forma pode adequar o PPR ao seu perfil de investidor e apetência para suportar o risco. Muitas vezes aconselha-se que investidores numa idade jovem invistam num PPR com um risco maior, uma vez que o tempo que ainda falta para a sua reforma, deverá compensar flutuações bruscas que possam existir. Por outro lado, investidores que já tenham uma idade mais avançada podem optar por constituir um PPR com reduzido risco.

Conclusão

Constituir um PPR pode ser a melhor decisão da sua vida, no que diz respeito à estabilidade financeira na sua reforma. Um plano poupança reforma reveste-se de diversas vantagens das quais enunciámos algumas neste artigo. Os benefícios fiscais, quando comparados com outros investimentos, são um bom exemplo disso mesmo. Não só no momento da subscrição, como no resgate pode usufruir de ganhos fiscais que outros produtos de poupança não proporcionam.

O facto de permitirem um rendimento, a longo prazo, atrativo, é outro dos motivos que leva muitos investidores a optarem por subscrever um PPR. Atualmente os produtos de poupança de baixo risco oferecem taxas de juros extraordinariamente baixas, o que leva à procura de alternativas por parte de quem deseja rentabilizar as suas poupanças.

A estas vantagens alia-se a possibilidade de resgate antecipado, desde que determinadas condições sejam cumpridas. Assim, existe a possibilidade de poder utilizar as suas poupanças aplicadas no PPR, antes da reforma efetiva.
Por fim, o leque de oferta de planos de poupança reforma, permite que seja possível escolher diversos níveis de risco e, deste modo, constituir um que seja mais adequado ao seu perfil de investidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *