Time, energy and money. These should never be compromised.

O que são e porque acontecem os Forks do Bitcoin

Conheça qual o significado dos Forks do Bitcoin

A Bitcoin, tal como todas as outras criptomoedas, têm o seu funcionamento baseado num software e protocolo. Com alguma frequência existe a necessidade de fazer actualizações ao protocolo que serve de base ao seu funcionamento. A utilização intensiva e os testes constantes que vão sendo efectuados de forma independente por milhões de utilizadores, leva a que possam ser identificadas melhorias ou correcções que são necessárias realizar. São estas actualizações que se designam por Forks do Bitcoin, mas vejamos em mais detalhe aquilo que envolvem.

Actualizações de protocolos

Tal como começou por ser referido neste artigo, o protocolo na qual assenta determinada criptomoeda pode necessitar de actualizações ou alterações. Quer seja para lhe conferir maior segurança, quer seja para simplesmente corrigir uma falha de segurança detectada, poderá haver a necessidade de alterar alguma parte do protocolo da criptomoeda, nomeadamente a nível do Blockchain. Por outro lado, em questões de eficiência poderão também ser identificados pontos que mereçam uma modificação ao protocolo.

Esta situação não é nova aliás, é bastante habitual em todo o tipo de software que actualmente se utiliza nos computadores pessoais. O possível problema surge quando nem todos os utilizadores do software actualizam o mesmo para a última versão, por motivos de força maior ou mesmo desconhecimento. Nesta situação passa a haver utilizadores a utilizar, ao mesmo tempo, diferentes versões do software, o que tem de ser correctamente acautelado. Se num computador pessoal este aspecto até pode não ser muito relevante, numa rede de processamento de uma criptomoeda, é necessário encarar esta situação de uma forma muito mais séria. Isto porque os diversos constituintes da rede terão de “trabalhar” juntos e portanto tem de continuar a haver compatibilidade entre eles. Por oposição a um software comum num computador pessoal que não dependa, nem esteja ligado, a nenhum outro computador.

Softfork

Um softfork é o termo utilizado para definir uma alteração ao protocolo da Bitcoin que é compatível com as versões anteriores do protocolo. Ou seja, constitui um dos tipos de forks do Bitcoin. Isto significa que, mesmo que nem todos os intervenientes na rede façam a devida actualização, esta continuará a funcionar com toda a normalidade. Não haverá nenhuma incompatibilidade entre os computadores que possuem a nova actualização e os que não possuem. Assim, na rede, poderão continuar em funcionamento máquinas com as duas versões do protocolo, a nova e a antiga. Estas poderão continuar a processar transacções em conjunto sem qualquer tipo de problema. Neste caso não existe o perigo que existe no hardfork, de criar duas redes separadas em funcionamento, devido a haver parte da rede com diferentes versões do protocolo.

Hardfork

Um hardfork distingue-se do softfork na medida em que constitui uma alteração mais profunda ao protocolo da Bitcoin que exige que todos os intervenientes na rede sejam actualizados. Caso contrario deixarão de conseguir continuar a operar na rede, uma vez que a sua versão do protocolo é considerada inválida. No decorrer de 2017 houve diversos exemplos deste tipo de alteração profunda, tal como a alteração em 8mb no tamanho dos blocos que deveriam passar a ser suportados por todos os elementos da rede. Por vezes, este tipo de alteração não reúne o consenso de todos os utilizadores, podendo ficar em funcionamento duas versões diferentes do protocolo que dão origem a duas redes diferentes e não compatíveis entre si, mas que mantêm ambas o funcionamento.

Conclusão

O conceito de Forks do Bitcoin consiste em alterações ao protocolo da Bitcoin. Quer seja por motivos de segurança ou eficiência estas alterações podem ser de maior ou menor dimensão. As alterações de menor dimensão e que permitem que os elementos de redes que não efectuam a alteração continuem activos, designam-se por softfork. Estas acabam por ser as mais comuns uma vez que são também as mais fáceis de implementar. As actualizações mais profundas que sejam necessárias realizar, e que não sejam compatíveis com versões anteriores do protocolo, designam-se por hardfork. Estas surgem com menor frequência uma vez que há sempre risco de causar disrupções na rede. Os forks do Bitcoin apesar de se terem referido neste artigo como relacionados na Bitcoin, também estão presentes em todas as outras criptomoedas. Como todas estão em permanente estudo e monitorização intensiva, existe, com frequência, a necessidade de implementar modificações. De referir, no entanto, que estas alterações podem, nem sempre, ser consensuais. E pode haver intervenientes na rede que recusem conscientemente determinada actualização por considerarem que não traz mais valias ao protocolo. O facto de não existir uma gestão centralizada da rede, leva a que esta situação seja possível, uma vez que não há nenhum mecanismo de obrigatoriedade ou controlo na mesma

.

Deixe o seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.