Time, energy and money. These should never be compromised.

Como investir na Bolsa de Valores

A Bolsa de Valores

A bolsa de valores é um sitio alvo de muita curiosidade por parte das pessoas. Muitas fortunas se fazem lá através da negociação dos mais diferentes instrumentos financeiros. O principal activo transaccionado nas bolsas de valores são as acções. Uma acção é uma parte do capital de uma empresa que qualquer investidor pode adquirir. Assim, é possível uma pessoa deter uma pequena (muito pequena) parte de uma empresa e assim beneficiar do seu sucesso.

Antes de adquirir acções de uma determinada empresa deve sempre estudar toda a sua situação. Que produto ou serviço vende, qual a previsão de vendas, se a margem de lucro é maior ou menor, são tudo factores que deve ter em consideração. Verifique também a envolvente e as circunstancias em que a empresa está envolvida. Por exemplo, uma empresa que venda leitores de DVD, mesmo que possa ter boas vendas e margens de lucro, não será uma empresa de grande futuro, se não inovar rapidamente. A forma menos arriscada de investir em acções é fazê-lo com um horizonte temporal alargado e assim abstrair-se de situações temporárias de valorização/desvalorização da cotação causadas por fenómenos passageiros. Um erro comum a evitar é investir com base em “euforias” causadas por alguma noticia benéfica para a empresa. Pense sempre a longo prazo e não em fenómenos passageiros. Estes são perigosos e muitas vezes são lançados para a comunicação social com o objectivo de fazer mexer artificialmente a cotação.

Existem duas formas de lucrar na bolsa de valores com acções que adquira. Uma é a mais habitual, consiste em comprar acções a um determinado preço e vende-las mais tarde, por um preço superior. De notar que da mais valia decorrente desta operação terão de ser pagos impostos. A outra forma de lucrar com acções é através dos dividendos que algumas empresas distribuem aos seus accionistas anualmente. Dividendos são recompensas decorrentes do lucro que a empresa atingiu e que esta decide distribuir pelos accionistas. Normalmente é fixado um valor de dividendo por acção, pelo que, quanto mais acções da empresa o investidor possuir mais irá receber. Em Portugal existem várias empresas que têm o habito de distribuir anualmente um dividendo.

Cuidados a ter

Conforme já foi referido deve sempre fundamentar ao máximo a sua decisão de investimento e analisar aprofundadamente toda a situação da empresa e as suas perceptivas para futuro. No entanto deverá sempre ter em conta que existe o risco de perder as suas poupanças. Se a cotação descer ou mesmo se a empresa falir poderá perder todo ou parte do capital que investiu. Por existir este risco uma boa estratégia é sempre diversificar o seu investimento por mais do que uma empresa. Assim diminui muito a probabilidade de poder perder todo o seu investimento. Mesmo que uma das empresas não cumpra as suas expectativas e atravesse um mau bocado, poderá ter a possibilidade de compensar com outra em que também tenha investido. Se detiver acções de apenas uma empresa estará exclusivamente dependente dos acontecimentos relacionados com esta.

Correctoras

Para investir em acções pode fazê-lo através de uma correctora ou, a maior parte das vezes, de um banco tradicional. A única diferença é que muitas vezes as comissões associadas a uma operação de bolsa são maiores nos bancos tradicionais do que numa corretora. Normalmente existe uma comissão em cada ordem de compra que dá, bem como, em cada ordem de venda. Além disso é comum haver um valor pago anualmente referente à custodia (guarda) de títulos. Estude bem os precários da instituição que vai utilizar para fazer os seus investimentos em bolsa. Normalmente todas as instituições têm os seus preçários publicados na Internet pelo que é fácil comparar.

Apesar de ter várias opções de correctoras e bancos nacionais onde pode adquirir as acções das empresas que desejar, existem também muitas casas de investimento online que pode utilizar. A diferença principal costumam ser os custos de transacção mais reduzidos, bem como, o facto de estarem sediadas em paraísos fiscais o que as torna mais eficientes a esse nível. Além disso, costumam oferecer um leque maior de acções. Muitos bancos portugueses apenas negoceiam acções portuguesas enquanto estas casas de investimento dispõem praticamente de acções de todas as empresas do mundo que se encontram cotadas em bolsa. Por outro lado, não oferecem tanta segurança e garantia como uma instituição física, com balcões físicos. O investidor terá sempre de pesar os pontos positivos e negativos com vista a escolher a corretora que o deixa mais descansado.

Uma pergunta que por vezes se coloca é, e se a instituição bancaria onde adquiri as minhas acções falir? O que acontece ao meu investimento? A resposta teórica a isto é: praticamente nada. O investimento continua a ser seu. Ao adquirir um conjunto de acções de uma empresa está a entregar o seu dinheiro a essa empresa, o banco é apenas o intermediário. Portanto, se o banco entrar em falência, o seu investimento continua intacto, quem tem o seu dinheiro é a empresa na qual investiu.

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.