Time, energy and money. These should never be compromised.

Fontes de rendimento seguro

É difícil falar de fontes de rendimento 100% seguras. Normalmente em todos os investimentos existe sempre um risco associado. No entanto é possível classificar os investimentos como de maior ou menor risco sendo que os de maior risco têm normalmente potencial mais elevado de rendimento do que os de menor risco. Todos os bancos em Portugal, hoje em dia, são obrigados a fazer um teste de perfil de investidor antes de permitirem que um cliente seu subscreva determinado tipo de produtos. Assim, pode solicitar junto do seu banco a realização desse teste que tem como objectivo classifica-lo consoante o seu grau de tolerância ao risco nos investimentos, bem como, os seus conhecimentos sobre mercados. Este teste consiste em responder a algumas perguntas relacionadas com investimentos e mercados financeiros. Depois cabe a cada investidor consoante o seu perfil decidir qual o investimento ou investimentos mais adequados a si. De referir que, no entanto que, por vezes, a instituição financeira pode recusar-lhe a subscrição de determinados investimentos, se considerar que o seu perfil de investimento é completamente desadequado ao investimento que pretende realizar. Independentemente do risco, normalmente uma boa abordagem é dividir as suas poupanças por vários investimentos com diferentes riscos.

A diversificação como forma de segurança

Uma das formas mais habituais de diminuir o risco de investimento das suas poupanças é diversificando ao máximo os produtos em que investe. Este é o principal truque para garantir que não perderá uma parte significativa do seu capital, pelo menos de uma forma fácil. A economia é cíclica pelo que é normal que nuns momentos haja activos que valorizam e outros que se desvalorizam. Assim se tiver uma carteira diversificada garante que em cada momento poderá ter um investimento com retorno positivo. Por outro lado se os seus investimentos forem muito concentrados em apenas um ou dois produtos, se acontecer algum contratempo com estes, poderá enfrentar tempos muito difíceis financeiramente. Por muito atraente e seguro que um investimento possa parecer, não deve violar esta regra.

Os investimentos mais seguros

Um dos investimentos historicamente mais seguros é o investimento imobiliário. Este mercado foi afectado fortemente em 2008 durante a crise financeira mas já recuperou os níveis pré-crise. Assim este continua a ser uma boa hipótese para quem detém poupanças de um valor a partir de cerca 50000 euros. Devido ao preço dos imóveis este é um investimento que não é possível para grande parte dos investidores em portugal. Alternativamente existem outras formas de investir no imobiliário indirectamente que não passam pela aquisição de um imóvel nomeadamente a subscrição de fundos de investimento deste sector. Estes fundos detêm vários imóveis em sua posse, arrendando alguns e vendendo outros realizando assim mais valias constantes. Um investidor pode subscrever uma ou mais unidades de participação destes fundos e assim, por um valor muito inferior ao da aquisição de uma imóvel, investir no sector imobiliário. Alguns destes fundos fazem inclusivamente distribuição mensal ou trimestral de rendimentos (provenientes de rendas), pelo que, acabam por constituir uma possibilidade bastante viável para um pequeno investidor poder indirectamente usufruir de mais valias resultantes do arrendamento de imóveis.

Um outro activo também muito procurado por investidores com pouca apetência ao risco é o investimento em ouro. Este constitui também um investimento cuja valorização tem sido extraordinariamente progressiva e constante ao longo dos anos. Este é mesmo considerado um activo de refugio, que quando existem crises económicas ainda tem uma valorização maior. Como não tem nenhuma ligação directa a acontecimentos políticos, económicos ou sociais do Mundo, acaba por estar blindado a todos estes factores que, todos os dias, influenciam os activos nos mercados financeiros. A forma mais segura de se expor à valorização do ouro é através de fundos de investimento ou de ETF. Comprar barras de ouro fisicamente e guardar-las em casa não é definitivamente uma forma segura de aplicar as suas poupanças. Hoje em dia existem formas de baixo custo, como as referidas acima e bastante mais seguras.

Por fim, os ETF, quando devidamente diversificados, são uma forma relativamente segura de fazer o seu dinheiro crescer a longo prazo. Neste investimento a diversidade é de maior importância pois um só ETF, subjacente a um determinado activo, pode ter uma componente de risco bastante elevada. Por outro lado, se possuir um conjunto de ETF’s correctamente diversificados, verá o seu risco diminuir drasticamente enquanto beneficia dos rendimentos dos mercados financeiros. Desta forma consegue rendimentos muito superiores aos tradicionais depósitos a prazo, sem aumentar muito o risco de perder parte ou a totalidade das suas poupanças.

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.